Há poucos dias noticiamos que o sistema de “sorteios” de processos do STF não pode ser auditado pela população.

Segundo site Jota.Info, uma solicitação efetuada à Corte resultou em negativa, com o argumento de que não há provisão legal ou regimental para que se faça tal auditoria.

Pois bem. Vamos verificar aqui que não houve “sorteio” do Ministro Fachin para relatar a Lava Jato – ele foi escolhido previamente. Nosso intuito não é fazer juízo sobre a escolha do ministro, até porque pouco sabemos sobre ele.

Dado nosso viés para Tecnologia da Informação, o propósito é mostrar que não há sistema de “sorteio aleatório” no STF. A distribuição dos processos segue uma ordem interna que os demais ministros conhecem.

Confira a sequência dos fatos e acreditamos que ficará claro que o Ministro Edson Fachin foi previamente escolhido.

Se é que foi realmente usado o sistema de “sorteio”, caros amigos, podemos concluir que esse sistema possui um algoritmo políticamente avançadíssimo! Será o IBM Watson que fez o “sorteio”?

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Imagem em Destaque