Diante do impasse gerado pelo foro privilegiado, privilégio dos principais suspeitos da operação Lava Jato, as autoridades já estudam mudar de estratégia no combate à corrupção. A idéia é utilizar a Lei Seca contra aqueles que possuem foro privilegiado, efetuando prisões e autuações sem a necessidade de prova criminal.

“Nossa tática será de abordar suspeitos da Lava Jato e solicitar o teste do bafômetro. Caso se recusem a fazê-lo, efetuaremos a prisão”, afirma um dos idealizadores da medida, que preferiu não se identificar por medida de segurança.

Juristas de renome, como o Dr. Michel Dólare Jr., afirma que a idéia possui consubstanciação no ordenamento jurídico infra-constitucional do Brasil:

“Essa é uma excelente idéia, pois a Lei Seca permite autuar e condenar o indivíduo sem a necessidade de produção de provas e também obriga o sujeito a produzir provas contra si, que são dois tipos adicionais de arbitrariedades, além das prisões por tempo indeterminado no hotel da delação, que seriam extremamente úteis na operação Lava Jato, ou seja, o político já é autuado no ato e, ao mesmo tempo, é obrigado a delatar e a produzir provas contra si. É de fato uma idéia brilhante usar essa lei que é voltada para a população geral, desta vez contra as autoridades da República”, explicou o jurista e intelectual enquanto fumava um charuto Cohiba e enxugava alguns drinks de rum.

A reportagem TICS.TAXI procurou durante 73 dias e conseguiu fazer contato com um parlamentar não citado na Lava Jato, que também parece concordar com a radicalização da Lava Jato por meio da Lei Seca:

“A Lei Seca é a única lei que se fiscaliza com tolerância zero no país e que dá, instantâneamente, uma multinha gorda de R$ 3000 no ato! Só a Lei Seca será capaz de prender os suspeitos da Lava Jato, principalmente os que tem foro privilegiado. Por meio das arbitrariedades da Lei Seca poderemos encarcerar os corruptos sem precisar produzir provas”, afirma o deputado que preferiu não se identificar pois corre risco por ser um dos pouquíssimos não envolvidos no grande acordo nacional para delimitar a Lava Jato.

Além do mais, cada autuação da Lei Seca gera multa de R$ 3000, que são recursos que seriam enviados diretamente para o nimbo da escuridão da caixa preta do Detran que ninguém sabe onde fica. Por meio dessa punição, com apenas 88 milhões de blitz realizadas nos suspeitos da Lava Jato seria possível recuperar parte do dinheiro desviado desde o ano de 1500.

O Antagonista : “Lula Preso Amanhã”

Caso a Lei Seca seja utilizada como arma na Lava Jato, os jornalistas do site O Antagonista poderão publicar matérias “Lula preso amanhã” com maior frequência. Segundo a analista de mídia Cristina Puggsy, com certeza O Antagonista iria publicar “Lula Preso Amanhã” no caso de adoção da Lei Seca:

“Certeza, o Diogo Mainardi não ia perder uma chance dessas. Ia aproveitar e falar algo do tipo ‘Chefe da ORCRIM’ preso amanhã ou algo assim, os cara não iam perder uma dessa neeeiiimmmm”, completou.

Detran na Lava Jato?

Caso a medida seja adotada, agentes do Detran de todo o país podem ser enviados para atuar na Operação Lava Jato.

Diante dessa possibilidade, mais de 187643 agentes do Detran já adquiriram novos modelos de óculos Ray Ban. Desse grupo, pelo menos 60% já solicitou porte de arma de fogo e 200 mil munições. Segundo um agente que preferiu não se identificar, por medida de segurança, as solicitações tem como objetivo proteger a integridade dos agentes durante as operações:

“Hhuahuauhauhauhuahuhauha agora nóis tem porte mano huauahhuauhauhauha a próxima blitz vai ser O OURO ahuauhauhauh”, teria dito bastante animado.

O projeto de regulamentação do uso da Lei Seca contra corruptos da Lava Jato ainda encontra-se em estágios preliminares, porém já houve reação em Brasília. Informantes de assessores de conhecidos de parlamentares da Esplanada dos Ministérios afirmam que alguns deputados e senadores já estão adquirindo aparelhos detectores de bafômetros, visando despistar as fiscalizações relâmpago da Lei Seca. O Congresso também estuda vetar a presença de bafômetros em suas instalações.

Deputados e senadores envolvidos no grande acordo nacional para delimitar a Lava Jato e estancar a sangria onde está, com o STF e tudo, já se movimentam para enfraquecer a Lei Seca. A abordagem por bafometristas seria regulamentada por meio de um projeto de lei que seria juntado ao projeto de lei contra o “abuso de autoridade” (OBS. abuso = prender parlamentares corruptos) e as abordagens do Detran ficariam restritas apenas ao que um parlamentar chamou de “povão”.

“É, essa Lei Seca é pra adestrar o povão[SIC] não é pra vir perturbar a vida do Parlamento. Então isso é abuso de autoridade e essa medida não terá longa vida aqui no Congresso”, concluiu o deputado Cb. Rocha Pinto (PTST-AM).

Movimentos de Rua Devem Apoiar

Os principais movimentos de protestos de rua que apoiaram o impeachment de Dilma Rousseff prometem apoiar o projeto de utilizar a Lei Seca contra alvos da Lava Jato. Por isso, deverá ser convocado um carnaval de 700 dias para que o povo fique nas ruas até o fim de 2018.

Imagem em Destaque