Segundo teria revelado a interlocutores, Eike vai “passar a limpo” todo o esquema do qual é acusado. O que, na prática, significa tornar públicos os mais sórdidos detalhes da relação público/privada que se estabeleceu no governo do PT com grandes empresários, entre eles os mais ricos do país. Odebrecht e Batista hoje presos por corrupção, um dia já comandaram as maiores riquezas do país. Há 20 anos era impensável falar no Eike preso, muito menos o Marcelo Odebrecht. E quem possui o padrão de vida que esses magnatas sustentam não aceita trocar o luxo por uma cela de prisão comúm, rodeado de criminosos violentos.

A verdade é que Eike vai abrir o bico, conforme ele mesmo já adiantou: é preciso passar as coisas a limpo.

Hoje foi homologada a delação da Odebrecht. Que venha, então, a segunda hetacombe: a delação de Eike Batista. Não ficará pedra sobre pedra.

Estocando milho de pipoca, pois o trem vai ser bão.

Foto: Juliana Coutinho / Wikimedia Commons / CC

Imagem em Destaque