Brasília – Assessores da Secretaria Anti-Drogas Recreativas (SECREADRORE) de Brasília afirmaram que o GDF estará atento ao consumo de monóxido de di-hidrogênio durante as festas na cidade. A informação obtida pelo serviço de inteligência indica que vastas quantidades da substância podem estar entrando no DF pela via pluvial na véspera do início das festividades. Segundo investigadores, podem haver enormes depósitos da substância, que encontra-se atualmente racionada em todo o DF.

Segundo o professor Valter Branco, da Universidade de Brasília, o monóxido de di-hidrogênio é levado por jovens em pequenas garrafas, e é então consumido por via oral, normalmente em meio à multidão a plena luz do dia:

“Os jovens apenas torcem uma pequena tampa no sentido anti-horário para terem acesso à substância, que é então consumida por via oral, exatamente da mesma forma que bebidas alcoólicas”, explicou.

Diversos estabelecimentos comerciais da Capital oferecem o monóxido a clientes, inclusive a menores de idade. Segundo comerciantes das quadras da Asa Sul onde costuma passar o famoso carnaval de rua Galinho da Madrugada, até mesmo idosos fazem uso da substância durante as festividades.

“Está por toda parte mesmo, só nesta rua qualquer um pode chegar e comprar em 4 estabelecimentos distintos”, explica a empresária Valquíria Rods, da Valrods floricultura.

Detran Fará Blitz Intensas no Carnaval

Segundo especialistas consultados pela reportagem, os agentes estarão atentos e observando o consumo de monóxido de di-hidrogênio durante todas as festividades de carnaval. Porém, o foco das blitzes será mesmo contra as bebidas alcoólicas.

De acordo com um assessor do departamento advocatício ligado à segurança pública do DF, não há ainda provisão jurídica para coibir o consumo do monóxido de di-hidrogênio, o que impede as autoridades de combater o consumo dessa substância. Por isso, o Detran fará apenas operações de combate às bebidas alcoólicas e não ao monóxido.

— —

Foto: Fermín Grodira

Imagem em Destaque