Há algum tempo procurei maiores informações sobre o processo de cromagem caseira, bem como de niquelagem e outros tipos de galvanização. A Wikipédia possui alguns artigos que ajudaram a esclarecer como cromar peças e como funciona o processo eletroquímico.

No entanto foram alguns vídeos do YouTube que realmente me animaram a arriscar este experimento. Veremos agora como cromar uma peça com bastante segurança e sem usar ácidos demasiadamente perigosos.

Em tese, ligando o metal que desejamos transferir no ânodo (polo positivo) de uma bateria e o material que desejamos galvanizar no cátodo (negativo) e submergirmos ambos num líquido ionizado, teremos a transferência de uma camada de um metal para o outro por meio do processo galvânico.

Abaixo incluo fotos do resultado da tentativa de cromagem de uma barra de cobre normalmente utilizada como barra de equalização de terra em caixas de disjuntores.

dsc_6059

Primeiro: Cuidado com sua Segurança

Estava preparando um tutorial sobre o assunto, e até cheguei a escrever umas 3 páginas aqui para o blog…quando lí o texto novamente percebí que havia inserido “Cuidado” ou “Avisos” por toda parte.

Há diversos perigos pelos quais decidí publicar apenas as fotos e não o tutorial detalhado:
1) Eletricidade e líquidos condutivos misturados são sempre um perigo;
2) Os gases emitidos no processo podem ser perigosos ou, no mínimo, te dar uma baita enxaqueca e intoxicação;
3) O óxido de nickel é altamente tóxico, o chumbo também;
4) É preciso jogar fora o composto de forma responsável com o meio ambiente.

Quem se interessar pelo processo certamente tem o conhecimento para buscar informações e técnicas de segurança necessárias para experimentar com a galvanização caseira. O processo de cromagem caseiro exige cuidados e bastante atenção durante todos os procedimentos, pelos motivos elencados acima.

Fotos
Barra de cobre original para o experimento. Esta barra sobrou de uma instalação elétrica, ela normalmente vai dentro da caixa de disjuntores, interligando todos os fios neutros ou o terra.

dsc_6082 dsc_6079     dsc_6065

Precisamos retirar o cromo ou níquel de algum lugar. Neste caso encontrei este puxador cromado.

dsc_6068

É possível encontrar peças cromadas em diversos lugares, como já pode imaginar, mas é preciso tomar cuidado porque todo metal exposto no ânodo será transferido para o cátodo. Então se a peça cromada tiver outro metal exposto, os dois serão transferidos. Neste experimento parece ter ocorrido isso, pois o resultado final parece mais um aço inox que cromo puro.

dsc_6070

Fiz o processo eletroquímico usando uma gaveta de geladeira antiga.

dsc_6071

O cátodo parece “ferver” durante a cromagem. É a liberação de gás hidrogênio e, possivelmente, hidróxido-de-alguma-coisa…não me pergunte a parte química disso, aprendí apenas o básico. Lembre-se apenas que, dependendo do ácido utilizado e do óxido da mistura, gases extremamente perigosos podem ser produzidos. Com ácidos caseiros (vinagre/limão) você provavelmente estará seguro. O Nickel também é tóxico…enfim, é um processo que requer cuidados especiais.

Após retirar a barra do banho, lavamos com água e passamos uma palha de aço fina, como o Bom-Bril. Este é o resultado final.dsc_6072

Aparentemente houve a transferência de ferro, juntamente com o cromo, pois a aparência final é semelhante ao aço inox.

dsc_6088

Perguntas Frequentes sobre o Processo de Cromagem Caseira

Seguem algumas respostas aos amigos que comentaram e que precisaram de mais informação.

O meio precisa ser ácido, condutor. A mistura de um sal pode auxiliar no processo, mas tem que ser tudo muito limpo. Caso utilize um ácido forte, padrão industrial tome muito cuidado.

Qualquer ácido passando por processo galvânico em solução aquosa liberará gases. Não respire esses gases em hipótese alguma. Por isso não recomendo que façam este tipo de experiência sem saber exatamente o que fazem. Há combinações de produtos químicos disponíveis em casa mesmo que podem ser fatais quando combinados em processo eletrolítico.

O “segredo” do processo está na mistura correta, na corrente elétrica correta e na limpeza geral. Quando mergulhar uma peça, a pinça que segura essa peça deve ser idealmente feita de um isolante.

Vamos às perguntas.

Produto para o banho: Ácidos em geral. Vinagre, limão puro funcionam para brincar. H2SO4 e produtos semelhantes só devem ser usados por quem sabe o que faz.

Corrente elétrica: Se colocar as peças muito próximas a corrente elétrica será muito alta. Se colocar muito longe o resultado sai melhor, mas demora muito. Tem uma distância entre elas que é ideal. A quantidade de sal que colocar na agua também influencia na corrente.

Não deixe a solução esquentar muito de vido à corrente, a qualidade cai muito, forma crostas e imperfeições na peça caso a corrente seja muito intensa, pois o material não se deposita de forma homogênea.

Limpeza: As peças devem estar muito limpas. O metal de origem tem que ser o mais puro possível. Se tiverem outros metais misturados o resultado pode ficar sendo uma crosta escura, uma mistura de todos. Se usar peças já existentes de cromo(apenas para brincar em casa), e elas tiverem partes onde o cromo lascou, a parte de baixo é de outro metal, e esse metal será transferido. Fica um resultado esquisito. A limpeza significa: metais puros, sal limpo, acido limpo, vasilha limpa, se possível de vidro e assim por diante.

Espero que essas dicas respondam às suas perguntas. Eu realmente não sou expert, apenas estou compartilhando minhas experiências com a cromagem caseira, por isso lembrem-se que podem haver enganos em minhas dicas. Não me responsabilizo por danos que possam causar, ou sofrer, por estas experiências. Em caso de dúvidas, consultem um químico especializado, e não façam as experiências se não tiverem certeza de todos os passos.